“Não foi o FC Porto que me mandou para a segunda equipa”

“Não foi o FC Porto que me mandou para a segunda equipa”

Avançado Marius desvendou pormenores sobre a primeira época no Dragão.

Aterrou no Dragão no verão passado como um desconhecido e nem o próprio imaginava um dia “chegar a um clube como o FC Porto”. Para Marius, “o importante era atingir o estatuto de profissional”, mas, um ano volvido, lamenta que “algumas lesões” o tenham impedido de lutar por mais minutos na equipa principal. “Não é correto dizer que sou um jogador da equipa B. Faço parte da equipa principal, mas, à falta de tempo de jogo, e porque não se consegue evoluir apenas com treinos, conversei com o treinador e propus-lhe que nos jogos em que não precisasse de mim, me deixasse jogar nas reservas para evoluir. Fui por minha iniciativa, não foi o clube que me mandou para a segunda equipa”, esclareceu, ao portal “Tchad Infos”.

Para este percurso ascendente até ao futebol europeu, Marius garante que a “paciência e a crença foram fatores decisivos”. “Se eu não acreditar em mim, ninguém acreditará. É isso que me motiva. A força, a paciência e as pessoas que estão à minha volta, que me puxam para cima e que me fazem acreditar nos meus sonhos”, encerrou o avançado.