Rangers 2-0 FC Porto – Crónica

Rangers 2-0 FC Porto – Crónica

Um péssimo resultado e 1 má exibição do Futebol Clube do Porto em Glasgow. A equipa azul e branca perdeu por 2-0 e tem de vencer os 2 jogos que faltam para se apurar para a fase seguinte da Liga Europa. A equipa entrou bem com 3 centrais- Mbemba, Pepe e Marcano- e a jogar num sistema táctico de 5-3-2 no momento defensivo e 3-5-2 no momento ofensivo. Manafá e Alex Telles jogaram como laterais, Danilo, Uribe e Otávio no meio campo e Corona e Soares no ataque. Os primeiros 20 minutos foram do clube azul e branco, a pressionar o adversário em zonas altas e a criar 2 boas oportunidades de golo. Mas a partir dos 20 minutos, O Rangers equilibrou o jogo e acabou a 1ª parte a jogar melhor. Diga-se que a equipa portista impediu a equipa escocesa de cria perigo junto da sua baliza mas faltou-lhe qualidade no último passe e capacidade de criar desequilíbrios no último terço do terreno.

A segunda parte começou mal com a lesão de Pepe aos 47 minutos. O central foi substituído por Luís Díaz. Pensava-se que a equipa portista iria jogar num 4-3-3 com Luís Díaz a fazer companhia a Corona e Soares no ataque e Manafá, Mbemba, Marcano e Alex Telles na defesa. Puro engano. Sérgio Conceição não quis alterar o plano de jogo e manteve o esquema de 3 centrais com Corona a lateral direito e Manafá a lateral esquerdo e Mbemba, Marcano e Alex Telles(?) a centrais. Resultado, a equipa nunca mais se encontrou, recuou no terreno, perdeu o repentismo e a capacidade de criar desequilíbrios de Corona em zonas mais adiantadas, foi incapaz de sair com a bola controlada e em posse para o ataque e usou e abusou do pontapé para a frente, o que facilitou a tarefa defensiva da equipa escocesa. E aos 69 minutos o Rangers marca o 1º golo por Morelos- grande avançado. E 4 minutos depois Davis estabelece o resultado final perante a passividade da equipa portista. De imediato, Conceição meteu Fábio Silva para o lugar de Otávio, mas já nada a havia a fazer. Pouco antes, Zé Luís tinha entrado para o lugar do desinspirado Soares.

É importante que Sérgio Conceição e os jogadores reflictam sobre o que se está a passar. Os jogadores têm de ser mais empenhados, determinados e briosos no exercício da sua actividade profissional. E Sérgio Conceição tem de mudar o seu modus operandi. Gosto de Sérgio Conceição: é determinado, corajoso, é 1 pessoa de afectos e emoções- não gosto de pessoas frias e distantes-, dá o peito às balas e não é 1 pessoa opaca. Mas não pode levar tanto a peito determinadas situações, pois, por vezes, é necessário engolir sapos. E tem de saber perdoar. Vou dar 1 exemplo: num dos últimos jogos do Manchester City, Guardiola tirou Aguero e o avançado argentino não gostou, fez má cara e mostrou o seu desagrado ao treinador espanhol, tendo este olhado de lado para o seu jogador. Poucos minutos depois, o City marcou o golo da vitória. O que fez Guardiola? Foi festejar o golo com Aguero. Ou seja, passou a mensagem que conta com todos os jogadores, mesmo que alguns por vezes tomem atitudes menos felizes. É isto que Sérgio Conceição tem de fazer, mostrar a todos os jogadores do plantel que conta com eles. E tem de conferir mais equilíbrio táctico à equipa jogando com 1 linha de 3 jogadores do meio campo e não ter medo de lançar os jovens talentos da formação. Fábio Silva merece mais minutos e Vítor Ferreira merece a oportunidade de jogar na equipa principal.

Estou triste, preocupado e zangado com a equipa, mas domingo lá estarei no Bessa a apoiar o meu clube. Sempre com o meu clube, sobretudo nos momentos difíceis. É nos momentos difíceis que se vê o carácter das pessoas e a qualidade das equipas.

P.S: hoje fui ver 1 concerto, pelo que não pude ver a 2ª parte. Antes de entrar na sala soube do resultado pela App do meu clube. Fiquei muito triste, a minha vontade era não assistir ao concerto e ir embora. Mas a vida continua. Mal cheguei a casa fui ver a 2ª parte que tinha colocado a gravar. Melhores dias virão.

Nuno Morujão