Vídeos

Aos 88 minutos do FC Porto-Famalicão, Fábio Silva não perdoou uma asneira de Defendi, que pouco antes lhe negara um golo.

Desta vez, o guarda-redes atrapalha-se, coloca-lhe a bola nos pés e o jovem avançado portista aproveita para fazer o 3-0

O FC Porto empatou esta quinta-feira na receção ao Rangers, a uma bola, em jogo da terceira jornada do grupo G da Liga Europa.

Luis Díaz, num grande remate fora de área, inaugurou o marcador para os dragões aos 36 minutos, mas ainda no primeiro tempo, aos 44 minutos, Alfredo Morelos empatou para os escoceses.

Com este resultado, o FC Porto soma quatro pontos nesta fase de grupos, os mesmos do que precisamente o Rangers. O Young Boys é líder da classificação, com seis, ao passo que o Feyenoord é último, com três.

Titular na vitória da seleção japonesa frente ao Paraguai, Nakajima mostrou habilidade com a «redondinha» durante a compensação da primeira parte, mas houve quem não achasse piada à forma como o nipónico avançava no terreno.

Numa altura em que os asiáticos já venciam por 2-0 – o resultado final da partida – o extremo do FC Porto tomou a liberdade para «brincar» com a bola, progredindo em habilidade. Antonio Sanabria, avançado paraguaio, não gostou e… protagonizou uma entrada «assassina» sobre o portista que lhe valeu o cartão amarelo.

O número 10 do Japão levantou-se de imediato, mas foi substituído ao intervalo – ainda que não haja certezas sobre se foi por precauções físicas.

Hoje, recordamos Rui Filipe, um dos mais promissores jogadores do FC Porto da década de 90. Tinha 26 anos quando perdeu a vida num trágico acidente de automóvel, a 28 de Agosto de 1994.

Rui Filipe Tavares de Bastos nasceu em Vale de Cambra (Distrito de Aveiro) a 8 de Março de 1968. Este antigo médio-centro do FC Porto era um jogador altruísta e que ao excelente porte físico aliava uma grande certeza no passe e um bom remate de meia-distância. No entanto, a sua maior virtude era a generosidade que colocava em campo.

Depois de ter iniciado o seu percurso juvenil no clube da terra, o Valecambrense, Rui Filipe chegaría ás camadas jovens do FC Porto na época 1984/85 (onde começou por ser utilizado como avançado!). Depois de concluída a formação juvenil, foi altura do antigo centro-campista do FC Porto ser emprestado ao Sp. Espinho (época 1989/90) e ao Gil Vicente (época 1990/91).

Com 23 anos, viu chegada altura de regressar ás Antas para a definitiva afirmação.

Foi o técnico brasileiro Carlos Alberto Silva que começou por confiar nas capacidades do jovem Rui Filipe. Como no meio-campo do FC Porto havia gente com mais anos de casa e com mais experiência (Jorge Couto, Semedo, André, Jaime Magalhães, Timofte,…), Rui Filipe acabou por realizar poucos jogos durante a sua época de estreia na Antas. Contudo, depressa passou a surgir com regularidade no ‘novo’ meio-campo do FC Porto, acabando por ser um dos protagonistas do «onze» de Bobby Robson, que, em vez dos centro-campistas demasiado musculados (André, Paulinho Santos, Jaime Magalhães,…), preferia os ‘híbridos’ Vasili Kulkov, Emerson e Rui Filipe. Ao serviço do FC Porto, Rui Filipe conquistou 3 campeonatos nacionais, 1 Taça de Portugal e 2 Supertaças Cândido de Oliveira.

O jogador que chegou a vestir a camisola nº 10 do FC Porto ainda é hoje lembrado como o autor do primeiro golo do «Penta». Foi Rui Filipe o responsável pelo primeiro golo do primeiro campeonato da histórica sequência de 5 consecutivos que o FC Porto conquistou na década de 90.

Estávamos na 1ª jornada da época 1994/95 e o FC Porto recebia o Sp. Braga. Uma vitória por 2-0 (golos de Rui Filipe e Kostadinov) marcou o arranque da brilhante caminhada do FC Porto de Bobby Robson (que nessa época marcou 73 golos no campeonato nacional e sofreu apenas 15).

Depois da estreia no campeonato nacional, e ainda no início da época, seguiu-se a disputa da Supertaça Cândido de Oliveira, frente ao Benfica, no Estádio da Luz. Foi nesse jogo que Rui Filipe marcou o último e mais belo golo da sua carreira. O antigo médio-centro do FC Porto inaugurou o marcador depois de, com uma finta de corpo, ‘sentar’ Michel Preud’Homme.

No entanto, esse jogo também acabaría por ter outro momento marcante: a expulsão de Rui Filipe, que o afastou do próximo jogo do campeonato, frente ao Beira-Mar (disputado, precisamente, no dia do seu falecimento). O jogo da Luz terminou empatado (1-1) e com 4 (!) expulsões (Secretário, Nelo, Rui Filipe e João Vieira Pinto), havendo necessidade dos jogadores cumprirem 1 jogo de suspensão na jornada seguinte do campeonato.

Na manhã do jogo frente ao Beira-Mar, surgiu a notícia que confirmava o despiste da viatura que Rui Filipe conduzia. O automóvel despistou-se na Estrada Nacional 223, em Gândar, Santa Maria da Feira. Apesar do ambiente de grande consternação que se vivia no Estádio Mário Duarte, o jogo ainda assim realizou-se (incompreensível!), tendo o FC Porto vencido os aveirenses por 2-0 (golos de Rui Barros e Emerson). Mais tarde, como forma de homenagem, o FC Porto colocaría um busto de Rui Filipe nas imediações do Estádio das Antas.

Além dos históricos golos que marcou ao Braga e ao Benfica, Rui Filipe também deixou a sua marca na célebre goleada (5-0) com que o FC Porto brindou o Werder Bremen, no ‘Weserstadion’. O promissor médio-centro marcou, aos 11 minutos, o primeiro dos cinco golos do FC Porto nessa partida. Uma ‘bomba’ a 30 metros da baliza de Oliver Reck.

Ainda antes da afirmação definitiva no «onze» do FC Porto, Rui Filipe também foi chamado a representar a Selecção nacional em 6 ocasiões, estreando-se frente à Itália, numa partida disputada nos Estados Unidos, a 31 de Maio de 1992.

Em cima, a ilustrar o ´post’, recuperámos algumas fotos onde surge o antigo médio-centro do FC Porto. Na primeira, surge ao lado de Luís Figo, num clásssico frente ao Sporting, disputado em Alvalade; na segunda, surge ao lado de Vítor Paneira, precisamente no momento em que se preparava para marcar o fantástico golo que deixou Michel Preud’Homme ‘sentado’; na terceira, surge ao lado de Emerson, momentos depois do FC Porto ter garantido a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira, disputada em Coimbra, também frente ao Benfica (vitória por 4-3 nas grandes penalidades); e na última, surge no «onze» do FC Porto que empatou (1-1) na Luz, no tal jogo em que Rui Filipe marcou o seu último golo com a camisola do FC Porto. Foi também a última vez que surgiu numa foto de um «onze» portista (reparem que nos deixou com um sorriso!).

A frase de Bobby Robson diz tudo: “A sad, sad day”
Palmarés:
3 Campeonatos Nacionais
1 Taça de Portugal
2 Supertaças

Autor
Ricardo Vara